Na natureza tudo está interligado. Cada animal, por menor que seja, tem um papel muito importante neste ciclo sem fim do meio ambiente.

Mas você sabia que as relações “selvagens” nem sempre são de caça e caçador? Existem muitas situações onde os animais e, até mesmo as plantas, se ajudam. Um exemplo deste “comércio natural” é a relação entre as formigas e o reino vegetal.

Apesar de serem temidas pelos fazendeiros, espécies de formigas nectarívoras  como Ectatomma tuberculatumCamponotus crassus podem ajudar a vegetação. Como?

De uma forma bem simples. Loucas por néctar, principalmente os produzidos fora das flores em estruturas conhecidas como nectários extraflorais, estas formiguinhas procuram as plantas para se alimentarem.

Mas pensa que é só comer e ir embora? Claro que não! Em troca do néctar as formigas protegem a vegetação de outros invasores, como gafanhotos. O que aumenta o sucesso de reprodução dessas plantinhas.

formigas mutualismo

Imagem meramente ilustrativa. Foto: Pixabay.

Esse toma lá, dá cá, se chama mutualismo. Relação ecológica entre indivíduos de espécies diferentes em que ambos saem ganhando.

Mas atenção! Para que ser mutualismo é preciso que os dois lados realmente ganhe algo com a interação, se não ela se torna parasitismo. Relação onde uma espécie se beneficia da outra.

Muito além do doce

Mas, calma! A relação de ganha-ganha vai muito além do néctar. O mutualismo, entre formigas e plantas, é uma das interações ecológicas mais bem estudadas. E a cada ano novos aspectos dessa relação são descobertos.

Um exemplo é o estudo conduzido pelos pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Laura Carolina Leal e Felipe Passos. Após pesquisarem a relação das formigas e plantas do sertão da Bahia, os biólogos descobriram que as plantas também pagam o serviço das formiguinhas com proteínas.

Ou seja, além do néctar (o açúcar) as formigas também aproveitam se alimentarem dos artrópodes herbívoros (lembra do gafanhoto? Esse mesmo!) que vivem ou atacam as flores.