Queridinho nas festinhas ou em dias quentes, o refrigerante pode vir em diversas cores e sabores. Mas o que seus amantes desejam mesmo é a explosão que suas bolinhas fazem na boca.

Já o gelo seco é usado por cineastas para criar aquela ‘fumaça’ típica de filmes de terror. O que estes dois podem ter em comum? Ambos possuem em sua composição, o gás dióxido de carbono.

Mais conhecido como CO2, ele é o responsável tanto pelas bolinhas do refrigerante, quanto pela ‘fumacinha’ do gelo seco. Mas como isso é possível? Bem vamos lá!

Uma explosão no céu da boca

O refrigerante é uma bebida gaseifica. Três ingredientes são principais para a sua criação: água (H2O), gás carbônico (CO2) e xarope.

Para fazer a bebida, o primeiro passo é misturar a água e o gás carbônico em um aparelho chamado carbonizador. Isso fará com que as substâncias se unam e se transformem no ácido carbônico (H2CO3).

Depois é preciso acrescentar o xarope. E por fim, quando o líquido já estiver na embalagem, colocar mais CO2 para aumentar a pressão.

Mas e as bolhas? Acontece que ao abrir a garrafa, ou lata, há uma perda da pressão na mistura, é o famoso “tss”. Com isso, o CO2, do ácido carbônico, consegue escapar formando as super-bolinhas que vemos no copo.

 Essa fuga também é o motivo do refrigerante ficar ‘sem gás’. É que quanto mais tempo a bebida fica exposta, no copo ou na garrafa aberta, mais o CO2 escapa.

Não é possível evitar essa escapadela, mas há como evitar que a bebida perca muito o sabor. Como? Basta esfriar antes de abrir. Desta forma o gás carbônico se dissolverá melhor na água, acrescentando um sabor mais agradável.

Feito fumaça

gelo seco

Imagem meramente ilustrativa. Foto: Pixabay.

Sem dúvida quando se fala em gelo seco, o que vem à cabeça é fumaça. Com utilizações diversas essa pérola fria não tem nada a ver com a água sendo formado por outro componente químico, o gás carbônico.

O gelo seco é criado ao abrir um recipiente onde o CO2 já tenha sido exposto a baixa temperatura e alta pressão. Ao entrar em contato com a pressão e temperatura normal metade vira sólido e outra gás. A parte sólida é prensada em blocos ou cubos e vendida.

Mas e a fumaça? Como ela é feita? Por meio de um processo químico chamado sublimação.  Isso significa, basicamente, que o gelo seco tem o poder de passar de sólido para gás sem se transformar em líquido.

Para isso o gás carbônico rouba calor dos seus coleguinhas. E esse ‘empréstimo’ dá origem a fumacinha branca.

A vantagem deste processo é que o gelo-seco esfria muito mais que o “molhado”. Para se ter uma ideia enquanto o formado por água tem por volta de 5°C negativos, o de CO2 se mantém a uma temperatura média de 80ºC negativos. É muito gelado!