Estudo desenvolvido nos Estados Unidos mostrou que assistir ao Homem-Aranha ou ao Homem-Formiga ajuda as pessoas a terem sentimentos mais positivos por estes insetos na vida real.

Dois cientistas recrutaram 424 voluntários para fazer uma pequisa online. O primeiro grupo assistiu a um pequeno clipe do filme de Homem-Aranha.

 

O segundo grupo, assistiu ao vídeo do Homem-Formiga. Já o terceiro grupo assistiu a vídeos sobre outros insetos.

 

Os vídeos eram bem curtinhos. Apenas sete segundos.  O cientista e psicólogo Yaakov Hoffman explica que o objetivo era obter resultados sem esperar por uma hora e meia de filme.

Depois de verem os trechos do filmes, os voluntários responderam a um questionário sobre como se sentiam em relação a aranhas, formigas e artrópodes em geral.

Eles descobriram que as exposições de formigas e aranhas pareciam dessensibilizar as pessoas e torná-las menos amedrontadas.

Do medo ao tratamento da fobia? Ainda não.

Outros cientistas acharam o estudo interessante. Segundo eles, poderia ser uma espécie de introdução mais leve ao universo dos insetos, para as pessoas que possuem algum tipo de trauma ou aracnofobia (medo extremo de aranhas).

Quando confrontados com uma aranhas, os aracnofobos podem suar as palmas das mãos ou sentir o coração disparar – sinais de pânico. As fobias podem impedir as pessoas de viajar, trabalhar e aproveitar suas vidas.

Eventualmente, Hoffman e Ben-Ezra esperam que sua pesquisa com o filme da Marvel possa ajudar pessoas com fobias. Mas eles alertam que as pessoas com fobias não devem simplesmente sair e assistir a filmes e esperar que seus medos desapareçam.

“O que fizemos foi apenas o primeiro passo em um longo caminho”, diz o cientista Ben-Ezra.

“Nós não dissemos que as pessoas irão se curar. Nós não temos provas disso.”

Embora seja apenas um começo,  apresentar os medos das pessoas em um contexto positivo – como um filme de super-heróis – pode ajudar as pessoas a superarem seus traumas. Afinal, se as aranhas produzem o Homem-Aranha, talvez não sejam tão ruins.  

Conheça outros tipos de fobia envolvendo animais

As fobias acontecem por causa da ansiedade. Trata-se de um sentimento exagerado de medo e aversão por algo ou alguém. Por exemplo, zoofobia diz respeito a pessoas que têm crises de pânico relacionadas a qualquer tipo de animal.

Alguns tipos de zoofobia mais comuns são:

Herpetofobia: medo de lagartos

Batracofobia: medo de rãs e sapos

Ofidiofobia: medo de cobras

Catsaridafobia ou katsaridafobia: medo de baratas

Escolecifobia: medo de larvas

Musofobia ou murofobia: medo de ratos

Verminofobia: medo de vermes

Mas não são apenas estes seres que podem ser considerados repugnantes que causam fobia. Algumas pessoas têm pânico relacionado a cachorros (cinofobia) e até a borbolestas (motefobia)

Causas da Zoofobia

Fobias relacionadas a animais são bem comuns. Em geral, elas surgem a partir de uma experiência ruim na infância. Em alguns casos, a pessoa perde o medo naturalmente, quando cresce.

Mas há pessoas que levam este medo para a vida toda.

É preciso observar, no entanto, que nem todo medo de animais pode ser considerado uma fobia. Só chama fobia, um medo persistente, irracional e injustificado de animais não importa quão perigosos ou inofensivos eles são. Em outros casos, o medo de cobras e aranhas pode ser considerado como bastante comum e necessário.

Os principais sintomas da fobia são:

  • Tonturas, desmaios
  • Sentir-se com asfixia ou como se estivesse morrendo
  • Paralisia
  • Ritmo cardíaco elevado
  • Respiração rápida e superficial
  • Sudorese, tremores
  • Tentativa de fuga
  • Um filme / imagem constante é executado na mente do fóbico onde ele imagina ser atacado pelo animal.

Existem alguns tratamentos eficazes contra as fobias que incluem terapia comportamental e dessensibilização gradual, que consiste em submeter o paciente a fotos ou imagens do animal temido. Na maioria das vezes, isso é feito em um ambiente controlado, de modo que o paciente é capaz de lidar com a ansiedade extrema.