Ninguém duvida que o lugar da mulher é onde ela quiser, certo? Recentemente, a Agência Espacial Americana (Nasa) anunciou que espera levar a primeira mulher à Lua até 2024. A missão recebeu o nome de Artemis, que vem da mitologia grega, e vai devolver os astronautas à superfície lunar com objetivo estabelecer uma presença humana sustentável no local até 2028.

Além disso, a missão pretende fazer descobertas científicas e demonstrar novos avanços tecnológicos. Desta vez, os astronautas vão pisar onde ninguém jamais esteve: no Polo Sul da Lua.

Artemis era a irmã gêmea de Apollo e deusa da lua na mitologia.  Apollo é o nome do programa espacial dos anos 1960 que levou 12 astronautas, todos homens, a pisarem na Lua.

Imagem da Aurora registrada por equipamentos da Nasa em 26 de julho de 2004. Foto: Nasa

Artemis faz parte de um projeto maior da Nasa, relacionado à pesquisas astronômicas sobre a espetacular dinâmica das auroras na Terra. Os cientistas querem saber o que faz com que as auroras funcionem como ondas de luz dançantes. Isso fornecerá detalhes importantes sobre o campo magnético da Terra e a conexão do nosso planeta com o Sol.

Já falamos aqui no site da Aurora Boreal, o fenômeno da dança das cores.

Além do sentido emprestado da mitologia, o termo Artemis significa “Aceleração, Reconexão, Turbulência e Eletrodinâmica da Interação da Lua com o Sol” (do inglês Acceleration, Reconnection, Turbulence and Electrodynamics of the Moon’s Interaction with the Sun”).

Os veículos usados na missão serão o foguete Space Launch System (SLS) e a nave tripulável Orion, mas ainda nem foram testados com tripulantes. Há uma previsão de teste para 2020.

Com informações de Nasa: What is Artemis? E THEMIS and ARTEMIS