Um novo espaço de ciência e natureza recém-inaugurado em Juiz de Fora recebeu uma visita inesperada: uma onça-pintada!

O maravilhoso animal apareceu no Jardim Botânico da Universidade Federal de Juiz de Fora(UFJF), que está temporariamente fechado desde o dia 26 de abril.

Pegada do animal tem a almofada, parte inferior, ampla e de contorno arredondado (Foto: Raul Mourão/UFJF/Reprodução)

A onça-pintada foi registrada em área aberta à visitação e o fechamento se deu por precaução com a segurança dos visitantes, do próprio animal e da população do entorno.

Ainda não há previsão para reabertura do Jardim Botânico, mas tem muita coisa que a gente pode aprender com esse episódio.

Equipe em alerta para proteger a onça e a comunidade

Cientistas, biólogos, polícia e bombeiros, além de equipes vinculadas à UFJF, estão mobilizados nas últimas semanas em torno do bichano. Armadilhas foram instaladas para tentar capturá-lo.

A equipe do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap/ICMBio) usa armadilhas de laço, que fica escondido no chão, para tentar pegar o felino.

O método é considerado um dos mais seguros e eficazes, conforme o coordenador substituto do Centro, Rogério Cunha, que atua há 21 anos na captura de animais silvestres, e está coordenando os trabalhos nesta etapa.

Equipe instala armadilha de laço, escondido no chão; técnica é das mais seguras e eficazes, conforme especialista (Foto: Raul Mourão/UFJF/Reprodução)

O que sabemos sobre a onça?

Rara e ameaçada de extinção, a onça-pintada tem sido vista pela equipe de monitoramento na borda da Mata do Krambeck, região que inclui o Jardim Botânico e áreas adjacentes, em Juiz de Fora.

Isso indica certa habituação deste animal selvagem a atividades humanas, o que pode ser um risco.

Segundo o professor do Departamento de Zoologia da UFJF, Artur Andriolo, o animal é um jovem adulto, robusto, que possivelmente se dispersou da área natal. Esse é um processo natural da espécie na fase de amadurecimento.

 

Orientações

Caso esteja em Juiz de Fora e aviste o animal ou encontre-se em situação de emergência, ligue para a Polícia Militar de Meio Ambiente, pelos telefones 190 e 3228-9050, ou para o Corpo de Bombeiros (193).

As autoridades também recomendam que se evitem atividades nas margens do Rio Paraibuna, na área da Mata do Krambeck e em imediações da floresta, entre 17h e 6h.

Conforme o Guia Prático de Convivência entre Predadores Silvestres e Animais Domésticos elaborado pelo Cenap/ICMBio, onças-pintadas normalmente têm medo do homem e tendem a evitar sua presença.

Mas, segundo o guia, é preciso evitar atividades que possam causar habituação do animal ao ser humano, ter precaução e seguir orientações de segurança.

Foto do professor Pedro Nobre / UFJF

Caso se depare com a onça:

  • Mantenha a calma.
  • Levante o braço, sem movimentos bruscos, para se parecer maior.
  • Nunca corra de uma onça, pois isso pode estimular seu instinto natural de caça.
  • Afaste-se lentamente de frente; não dê as costas.
  • Dê espaço para ela se afastar também, o que é uma tendência do animal.
  • Se estiver com criança, pegue-a no colo, para evitar que ela saia correndo; ou leve-a para trás de você, protegendo-a.
  • Não atire pedras ou outro objeto e nem corra, para não atiçar o instinto do animal.
  • Sem tirar os olhos da onça, fale alto e firme, não grite.

O Guia Prático de Convivência está disponível em: bit.ly/jdbotanico_guiaOnca.

Acompanhe esta aventura no perfil do Jardim Botânico no Instagram: www.instagram.com/jardimbotanicoufjf.