Um guia turístico é responsável por orientar as pessoas sobre as atrações ao qual estão visitando. Também cabe a ele definir o roteiro da excursão, ou seja, por qual caminho o grupo seguirá e o que será observado.

Mas você já parou para pensar que as atrações turísticas de um lugar não estão apenas no chão? Muito da história de uma cidade pode estar bem acima das nossas cabeças, no céu.

Pensando nisso, professores do Departamento de Física (DFI) da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Karen Luz Burgoa Rosso e José Nogales, criaram um guia para observar o céu de Lavras. O roteiro foi publicado na segunda edição da revista Ciência em Prosa e busca aproximar a comunidade dos astros.

De acordo com Karen Rosso, o céu da cidade, com a sua geografia, oferece cenários incríveis a noite. A professora recorda que um lugar estratégico para contemplar os astros é a Praça Dr. Jorge, bem na região central de Lavras.

 “A praça fica cheia de famílias e crianças brincando. E o céu conversa com todo esse cenário”, conta.

A praça é realmente um dos melhores lugares para os amantes dos astros. Karen informa que, além dos cenários, há também uma rua em frente à praça onde é possível ver o nascer e o pôr do sol. “Até levantamos a possibilidade de fazer um estudo histórico para ver se a rua tinha sido planejada com essa intenção”.

Eu vejo com os meus olhinhos….

roteiro do céu de Lavras

Imagem meramente ilustrativa. Foto: Pixabay.

Segundo Karen Rosso, durante os meses de abril e maio as pessoas poderão observar duas constelações brasileiras no céu de Lavras: o Homem Velho e a Ema. Ambas do tupi-guarani.

 “A do Homem velho estará visível onde o sol se põe. E ao lado contrário, onde ele nasce, será vista a constelação da Ema”, informa.

A cientista conta que essas constelações marcam o início das atividades que a tribo desenvolve no meio ambiente. “Por exemplo, quando a constelação da Ema aparece, mais o menos no final de maio, é a época que eles economizam água. Pois em suas lendas eles contam que a ema é um animal muito econômico com a água”, conta.

Saiba mais sobre os céus dos índios aqui.

Contemplar as estrelas

A luz das estrelas que observamos já viajou milhões de anos. E viveu muitas aventuras destaca Karen Rosso.

A pesquisadora informa, entretanto, que as constelações são algo imaginário. E para enxerga-las é preciso conhece-las, principalmente as nossas constelações indígenas.

roteiro do céu

O binóculo ajuda a observar as estrelas. Foto: Pixabay.

Segundo a cientista, elas foram criadas por povos que viveram aqui. “Então é possível ver as histórias que contam acontecendo. Diferente de quando pensamos nas gregas. Que contam histórias de outros locais”.

Além de conhecer as constelações Karen dá mais duas dicas para quem quer contemplar os astros. Primeiro procurar a lua. “Ela irá aparecer em lugares estratégicos durante todo o ano. A sua observação é interessantíssima para quem está começando”, ressalta.

A segunda dica é usar um binóculo. Segundo a cientista, há fenômenos como nébulas e aglomerados que não é possível ver a olho nu. “Mas quando o colocamos vemos um monte de estrelas. É muito bonito e surpreendente”, conta.

 Confira as datas e horários para observação

9/5/2019 – Lua perto das estrelas Pollux e Castor. Do setor C ao setor D, das 18h às 20h.

12/5/2019 – Lua perto da estrela Regulus. Do setor A ao setor D. das 18h às 22h30

Gostou do assunto, mas está mais próximo de Belo Horizonte? Sem problemas! Durante o ano haverá eventos de observação no Parque do Serra do Rola Moça. O próximo já é nesse sábado, 27 de abril. Saiba mais aqui.

Você também pode dá uma olhada na nossa matéria sobre os aplicativos que ajudam a identificar estrelas e constelações. E se tornar um desbravador do céu da sua cidade.