O Brasil é um país privilegiado por sua biodiversidade e a gente adora contar aqui sobre as novidades do mundo animal.

Não podíamos deixar de falar do balanço das 301 novas espécies descobertas nos últimos cinco anos por pesquisadores e colaboradores do Museu Goeldi.

O Museu Paraense Emílio Goeldi é uma instituição de pesquisa vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações do Brasil. Está localizado na cidade de Belém, Estado do Pará, região amazônica. Desde sua fundação, em 1866, suas atividades concentram-se no estudo científico dos sistemas naturais e socioculturais da Amazônia, bem como na divulgação de conhecimentos e acervos relacionados à região.

Das mais de 300 novas espécies descobertas pelos pesquisadores, 238 são animais!

O resultado reforça a importância das coleções científicas e do uso de novas ferramentas e metodologias. Mas alerta também para a necessidade de formação de novos profissionais para trabalhar nessas áreas, como taxonomistas e sistematas.

Que tal ser você este cientista do futuro?

Você pode ver a lista completa de novas espécies de animais, plantas e fungos descobertas pela equipe do Museu Paraense Emílio Goeldi clicando aqui.

Do reino animal, foram 55 novos vertebrados reconhecidos pela ciência, sendo 20 peixes, 18 anfíbios, 14 répteis e três mamíferos.

Entre os invertebrados, foram 141 aracnídeos, 23 insetos, nove microcrustáceos atuais, sete microcrustáceos fósseis, dois anelídeos e um equinodermo.

Falando em aracnídeos, vamos conhecer um pouco melhor uma espécie engraçadinha de aranha que quer se passar por formiga pra confundir a gente?

Conheça a aranha-formiga!

Pesquisadores estimam que existam mais de 60 mil espécies diferentes de aracnídeos, classificados em 11 Ordens, sendo as mais conhecidas a Acari (ácaros e carrapatos), Scorpiones (escorpiões) e Araneae (aranhas).

As aranhas se distinguem de outros aracnídeos pela fisiologia e pela capacidade de produzir seda.

São animais com grande diversidade de estilos de vida, com hábitos diurnos ou noturnos e diferentes estratégias de predação, utilizando teias ou caça por busca ativa e emboscada.

O grupo do pesquisador e coordenador de Pesquisa e Pós-Graduação do Museu Goeldi, Alexandre Bonaldo, fez a reclassificação da família Oonopidae, descrita em 1800 e atualmente em fase de alterações.

Na imagem em destaque, no topo da página, você conhece a Myrmecium nogueirai, que é uma das 141 novas espécies de aracnídeos descobertas entre 2014 e 2018.

Semelhante a uma formiga, a aranha é da família Corinnidae e ocorre no Peru.

As aranhas deste gênero são todas miméticas de formigas, o que é uma vantagem evolutiva, porque formigas têm poucos predadores.

Clique aqui e conheça outras espécies descobertas, como o “Sapo morcego” que ganhou o nome em homenagem ao roqueiro Ozzy Osbourne, uma das figuras mais lendárias e anedóticas do heavy metal mundial.

Ao nomear as espécies, os cientistas se divertem homenageando colegas, a cultura do lugar onde a descoberta foi realizada, sem falar nas referências do mundo pop.

O sapinho Ozzy, cujo nome oficial é Dendropsophus ozzyi. Reprodução / Museu Goeldi

Via Agência Museu Goeldi