A equipe Microraptor de aerodesign, é formada por 33 alunos da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF),a maioria dos cursos de Engenharia Elétrica, Mecânica e Civil, além de Artes e Design e Geografia, a equipe Microraptor desenvolve prototipos de avião e participam de competições internacionais.

Recentemente, a equipe ficou em terceiro lugar na competição SAE BRASIL AeroDesign, disputada em São José dos Campos (SP), entre os dias 1º e 4 de novembro. Foram mais de 1.300 estudantes, reunidos em 95 equipes, das melhores faculdades de Brasil, México e Venezuela, e quatro dias de intercâmbio de conhecimento e difusão da engenharia aeronáutica.

Para participar dessa competição, era preciso um avião leve mas que também aguentasse carregar o maior peso possível. A aeronave também deveria ser totalmente desmontável para ser transportada em uma caixa de 30 litros, no menor tempo possível. Para alcançar os resultados, eles dividem a produção em duas partes. Na primeira metade do ano os estudantes realizam os cálculos e definições da aeronave, para poder comprar novos produtos e a manufatura do avião. Em seguida, realizam  testes em bancadas e também de voos, “tudo isso é registrado e enviado para os jurados da Competição SAE Brasil Aerodesign, nosso principal foco”, informa João Paulo David Cassani, um dos membros da equipe.

Assim, depois dos testes, o trabalho da equipe volta-se para testar o cumprimento da missão e treinar o piloto. Para cumprir a missão, a aeronave deve decolar carregada, dar uma volta em torno da pista e extrair essa carga através de um paraquedas. Após o voo, o avião deve caber em uma caixa de 30 litros e ser desmontado no menor tempo possível. A cada teste, a equipe realiza melhoras no avião para levar na competição um projeto competitivo e confiável.

 

Mas, todos os integrantes sempre sonharam em trabalhar com avião?

Claro que não. Beatriz Freitas é uma das meninas da equipe. Quando criança, ela não tinha esse interesse na area da aviação. “ Lembro que eu queria ser cozinheira, mas com o tempo essa ideia passou. A partir do ensino fundamental, eu percebi que tinha afinidade com as ciências exatas e segui assim até o ensino médio.”

No ensimo médio, Beatriz começou a se interessar, por engenharia mecânica e por aeronáutica, que foi quando ela ingressou no curso de Engenharia Mecânica na UFJF. Logo no primeiro ano da faculdade Beatriz participou processo seletivo da Equipe Microraptor.

Depois de 2 anos na equipe, percebo que projetar aviões é algo que eu realmente gosto de fazer. Todos os dias eu aprendo um pouco mais sobre engenharia, aerodinâmica (minha área dentro da equipe) e projeto aeronáutico. 

Foto: Arquivo Pessoal

É difícil montar um protótipo de avião?

Os cálculos feitos pelo Aerodesign são os mesmo realizados em aviões comerciais e militares, porém em escala reduzida, logo, É MUITO DIFÍCIL.

Na UFJF, não existe o curso de Engenharia Aeronáutica então, uma das maiores dificuldades enfrentadas pela equipe Microraptor, é desenvolver estudos relacionados ao ramo por conta própria. “Além disso, um grande desafio que enfrentamos é a questão financeira. Não possuímos apoio da universidade, fazendo-se necessário realizar ações para arrecadação financeira e busca por patrocinadores”, comenta João.

 Dica dos construtores

“Montar aviões é tão legal e complexo quanto parece, e no final ver o seu trabalho no ar é de gratificação inigualável.

Você quer desenvolver aviões quando crescer? João e Beatriz contam que criatividade, trabalho em equipe e aprender todo dia uma coisa nova são realidades tanto dos integrantes da Microraptor quanto das crianças que um dia serão universitários.

Eles sonham em, um dia, construir algo grandioso, com qualidade, originalidade e chegam cada dia mais perto desse objetivo. E para aqueles que estão perdidos entre tantas possibilidades, o importante é explorar e testar cada vez mais. “É seguro dizer que, em um momento sua paixão vai surgir e virar sonho. Esforço e aprendizado no final são insignificantes em relação ao desenvolvimento como pessoas”, completa João.