Nanotecnologia é uma tecnologia que trabalha em escala nanométrica, com matérias que são bem menores do que um simples grão de areia. (Você consegue imaginar isso!?) Parece algo do futuro, curioso e difícil, certo? Mas a nanotecnologia já é realidade em nosso dia-a-dia. Muito usada em diversos setores da indústria e da tecnologia, além de estudos da física, química, biologia e medicina.

MAS, POR QUE OS CIENTISTAS TRABALHAM COM ALGO TÃO PEQUENO?  

Estudo comprovam que usar elementos já conhecidos como o fósforo, a prata e o ouro no tamanho minúsculo, faz terem comportamentos diferentes, mudando suas propriedades: podem se tornar mais duros ou moles, passar a conduzir calor e eletricidade ou até mudar de cor.

Assim, a coordenadora do curso de Engenharia de Materiais e professora do Departamento de Engenharia da UFLA Lívia Elisabeth Vasconcellos de Siqueira Brandão Vaz, explica que quando diminui o tamanho da substância em uma escala nano, reduz o número de partes presente, assim, no material nano, o tamanho é maior que o volume.

Aproveitando essa mudança de propriedades, a ciência começou a desenvolver produtos que estão impactando, cada vez mais, nossos dias. Desde a fabricação de eletrônicos, como nanodispositivos para celulares, até o desenvolvimento de nanocosméticos e nanomedicamentos.

TECNOLOGIA NANO ANTIGAMENTE

Catedral de Bourges, França (Foto: Gérard Therin)

Catedral de Bourges, França (Foto: Gérard Therin)

 

Dizem que o primeiro cientista a falar em nanotecnologia foi o físico Richard Feynman durante uma palestra, em 1959, mas para Livia, a tecnologia tem sido aplicada desde muitos anos atrás. “Costumo brincar que os vidraceiros da idade média foram os primeiros cientistas de materiais a trabalhar com a nanotecnologia.

Se você observar os vitrais coloridos das igrejas europeias medievais, vai perceber uma vivacidade incomum nas cores. Aquilo não é um pigmento ou tinta, mas sim nanopartículas de ouro que ali estavam misturadas. É esse mesmo ouro que conhecemos, da fabricação de joias, mas que em uma escala nanométrica interage com a luz de forma a gerar cores diversas, de acordo com seu tamanho na nanoescala”, explica

 

 

 

OLHANDO PARA A NATUREZA

Para criar um novo dispositivo é preciso sempre observar tudo que a natureza nos proporciona. Os pesquisadores que trabalham com nanotecnologia tem usado os elementos vivos como inspiração para produzir uma série de produtos. Por exemplo, você sabia que as lagartixas possuem pelos finíssimos em suas patas que permitem aproximação nanométrica da superfície, e por isso conseguem andar pelas paredes? Pensando nisso, foi desenvolvido supercolas e adesivos com a nanotecnologia.

Livia contou que a nanotecnologia não é nada de outro mundo e sempre foi possível encontra-la na natureza. Um outro exemplo: alguns tecidos  impermeáveis foram criados para funcionarem igual às folhas de algumas plantas, como a folha de lótus, que não absorve água porque tem uma superfície nanometrizada.

 

NANOTECNOLOGIA AJUDANDO NA SAÚDE

professora do Departamento de Engenharia da UFLA. Foto: UFLA

professora do Departamento de Engenharia da UFLA. Foto: UFLA

A saúde é uma das áreas em que a nanotecnologia promete inovar. Na UFLA, dois projetos no Departamento de Engenharia (DEG) estão sendo desenvolvidos com objetivo de diminuir a infecção por bactérias no ambiente hospitalar. Utilizando nanoparticulas de prata, que são anti-bactericida, a pesquisadora, junto com outros professores e alunos, estão desenvolvendo um material capaz de revestir madeira para serem utilizados em móveis hospitalares. Ela ainda explica que a saúde preventiva foi o que motivou os estudos.

Fonte: Ufla