Balanças, amperímetros e medidores de fusão. Você sabe o que são esses objetos?

Itens utilizados no ensino de física e química na Universidade Federal de Minas Gerais, esses instrumentos estão expostos na Biblioteca Central para quem quiser conhecer um pouco mais sobre a história do ensino de ciências na universidade.

Até o dia 28 de setembro, é possível visitar a exposição, que tem itens datados de 1940 a 1990. Os aparelhos integram a mostra Ciência e tecnologia / patrimônio cultural. O tema é a memória do ensino e da pesquisa no Instituto de Ciências Exatas (ICEx) e no Colégio Técnico (Coltec).

A iniciativa é de um grupo de professores das duas unidades, que, ao constatar o número significativo de aparelhos de ensino e pesquisa descartados inadequadamente, uniu-se em busca do resgate e da preservação desses materiais e das práticas educativas a eles relacionadas.

Foto: Carla Pedrosa

Foto: Carla Pedrosa

Por que é importante lembrar do passado?

“À medida em que se aprimora a tecnologia dos equipamentos de ensino, há uma perda das habilidades práticas exigidas dos estudantes, como a habilidade de aferir uma balança. Ao resgatar a história desses equipamentos, é possível recuperar a memória dessas práticas”, afirma o professor Eliezer Costa, do Coltec, curador da mostra ao lado dos professores Isolda Mendes, Isabel Fortes e Alexandre Melo, do Departamento de Química. Eles contam com apoio do professor Elmo Salomão, do Departamento de Física, e da restauradora Luiza Brito, da Escola de Belas Artes.

A exposição também reforça a importância dos museus e centros de memória para preservar o patrimônio material e imaterial da Universidade. “Queremos ampliar o conceito de patrimônio cultural. A UFMG é patrimônio cultural e todas as pessoas, documentos e objetos que contribuem para a construção da história da Instituição também fazem parte desse patrimônio”, afirma a professora Isolda Mendes.

Foto: Carla Pedrosa

Foto: Carla Pedrosa

Quero conhecer!

A exposição Ciência e tecnologia / patrimônio cultural pode ser visitada no saguão da Biblioteca Central, no campus Pampulha, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 22h.