A gente já falou aqui sobre várias curiosidades dos peixes: eles fazem xixi e isso é importante para os corais, e há espécies que podem clonar a si mesmos. Mas um outro fator curioso sobre a vida dos peixes é que, de todas as espécies no mundo, 25% vive em cardumes ou nada em grupos durante parte da vida.

Nadando em sincronia

Um cardume é um grupo de peixes, normalmente da mesma espécie e do mesmo grupo etário, que nadam como se fossem um único indivíduo.

Um cardume é algo fascinante de se ver! O movimento dos peixes parece coreografado, são centenas (às vezes milhares!) de indivíduos que se movem como se estivessem sob controle de um grande maestro.

Geralmente, os peixes que formam cardumes são os peixes menores, e eles fazem isso por sobrevivência. A evolução parece ter contribuído para isso, fazendo do cardume uma defesa contra predadores. Quando nadam em conjunto, eles parecem um só animal e podem confundir ou afugentar um predador.

Estar em um cardume também ajuda a encontrar um parceiro para a reprodução e a localizar o alimento de melhor qualidade e mais abundante, é uma forma de também aumentar a eficiência alimentar

Como os cardumes funcionam?

Cada peixe mantém uma “zona de repulsão” com seus vizinhos, ou seja, se eles chegam perto demais um do outro, um dos peixes automaticamente se afasta, para evitar colisões.

Geralmente, não há um líder no cardume. Os peixes se unem em um fenômeno auto-organizado. O segredo da coesão é que eles não precisam agir todos em conjunto. Em vez disso, cada indivíduo precisa se coordenar apenas com os peixes mais próximos.

Funciona assim: um peixe gira, depois é a vez dos vizinhos, depois os vizinhos dos vizinhos, etc. Mas tudo isso acontece muito rápido, em um piscar de olhos. É assim que o cardume se movimenta, são milhares de movimentos individuais que compõem um movimento maior.

Foto feita por Jim and Becca Wicks nas ilhas Maldivas

Foto feita por Jim and Becca Wicks nas ilhas Maldivas

Como os peixes se comunicam com seus vizinhos de cardume?

Cada peixe coordena seu movimento com o do vizinho através de uma combinação de contato visual e ação de sua linha lateral, um órgão que existe ao longo de cada lado do corpo dos peixes e pode sentir mudanças de pressão extremamente sutis na água ao redor.

Se um vizinho se virar ou acelerar, por exemplo, o outro peixe sentirá na linha lateral e poderá responder de acordo. Neste sistema, o número de vizinhos a que cada peixe presta atenção ajuda a determinar o tamanho do grupo e o grau de coordenação.

Tem outras dúvidas sobre peixes? Deixe aí nos comentários!

Via JStor e Howitworks.com.